Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 24 de maio de 2018

O que é isso de mostrar a vida real?

Já aqui disseram uma ou outra vez que os meus posts não mostram a vida real. Eu tenho consciência de que, sendo uma pessoa romântica e optimista, floreio, aos olhos dos outros, um bocadinho, pinto de cor-de-rosa alguns textos e ainda ponho uns unicórnios com glitter colados a cuspo nos títulos. Golas e folharecos nas miúdas. Cartas emocionadas. Para algumas pessoas, talvez seja too much. Demasiada felicidade, demasiado optimismo, demasiado romantismo. Famílias unidas, apesar de pais separados, (futuro) marido aparentemente perfeito - que não ajuda, simplesmente é pai e é marido, bla bla bla - filhas queridas. Uns restaurantes pelo meio, umas compras e uns fins-de-semana em hotéis. Um pai e uma mãe que são para mim um exemplo e que não me coíbo de elogiar. 
Percebo que, para a maioria das pessoas, este cenário seja enjoativo e que pareça irreal ou até inalcançável. Percebo que haja pessoas que, nesses momentos, se sintam tristes por não terem tido uma infância feliz, uns pais presentes, uma família. Que não possam sequer ir comer um hambúrguer, quanto mais ter acesso a restaurantes de chef de renome. Que não vão de férias há que séculos e eu ainda a queixar-me de ter de fazer malas. "Não é por acaso que no Natal ou em altura de festas haja muitos suicídios" ficou ali a pairar na minha cabeça.
Eu percebo o argumento, não sou propriamente um cepo com olhos. Tenho sentimentos (e às vezes até demais). No entanto, não posso condicionar o que sou, o que vivi e o que partilho (três coisas distintas) por pensar no que os outros não são, não vivem (ou não podem viver) nem sentem. Mas não é por isso que o que eu sou e vivo e partilho deixa de ser real. O que é isso de mostrar uma vida real? A minha vida, por força das circunstâncias, pelo meu passado, pelo que me proporcionaram, pelas minhas experiências, mas também por tudo aquilo que o blogue me dá a viver, a experimentar e a conhecer, é esta. Estou muito grata por tudo. Tento devolver ao universo tudo o que o universo me dá. Agora, não fiz nenhum voto de pobreza. Apesar de ajudar algumas causas, não deixo de fazer coisas que me fazem bem. E, apesar de saber que há pessoas que não têm a sorte que eu tenho, não quero deixar de falar da minha vida, da minha maternidade e da minha família com o orgulho e a felicidade que ela me causar. 
Nunca disse que era feliz a 100% (isso nem existe). Nunca disse que não tinha problemas ou que nunca tive. Nunca deixei de me ir queixando aqui de coisas que me chateavam e até de coisas que me faziam chorar durante a noite. Do cansaço, de não saber bem que rumo tomar, das decisões difíceis. Idas à psicóloga. Todos temos os nossos problemas e os nossos fantasmas. "Problemas de primeiro mundo". Sim, é a minha realidade e não fujo dela. Nem tenho de. Se inspirar alguém, inspiro, mas sem essa pretensão. Se as minhas dicas servirem a alguém, fico contente. Se fizer alguém pensar em algum tema que me seja querido, tal como alguém o fez comigo, excelente. Se alguém se identificar e me passar a mão pelo pela cabeça e me der dicas a mim ou alguma palavra de conforto, magnífico. Se conseguir que alguém se ria, muito fixe. Se trouxer discussão construtiva, fico entusiasmada.
Podia abrir (ainda) mais o meu coração e contar coisas que fariam com que se identificassem comigo? Podia narrar situações que me fizeram mossa, ficaram mal resolvidas dentro de mim, na infância e adolescência e até na idade adulta? Podia. Porque ninguém é perfeito ou leva uma vida perfeita. Ninguém. Mas há coisas que não conto nem exponho. Para mim, há limites. Tudo o que escrevo aqui pode ter consequências na vida dos outros: as pessoas da minha vida e os que me lêem. E há portas que não se abrem. 
Das que eu abro, contem com sinceridade. Às vezes com desapontamento ou cansaço, outras vezes com paixão e entusiasmo. Tenho um trabalho de muitas horas, que acumulo com outras coisas, tenho duas filhas que se esfolam por vezes e que me tiram do sério, tenho dúvidas, contas para pagar, roupa para passar e sono. Às vezes tristeza, sentimento de que falho, e saudades do passado. Mas tenho também uma enorme vontade de dançar dentro de mim, de beijar e de gritar bem alto que tudo vale a pena e que o resto se resolve. Talvez opte mais vezes por este porque acredito muito que as coisas boas trazem coisas boas aos outros e a até a mim. 

Tudo isto faz parte da minha vida, logo é real.






Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:


terça-feira, 22 de maio de 2018

É um pouco isto - #02

Dado o sucesso da primeira edição, cá está de volta a rubrica "é muito isto". Vai ser difícil não descer muito a fasquia, mas vamos lá.


Atitude com o primeiro filho:  termómetro para o banho?
Claro que sim, não vá a nossa mão ou cotovelo ou o que é estar nos trópicos e nós nos glaciares!
10 roupas "de domingo" cheias de folharecos e a custar um rim, quando eles estão bem é de babygrows, que sujam até ao pescoço, e que deixa de lhes servir em 72 horas? Vamos lá!!!


via GIPHY

Quando o nosso filho faz cocó ao fim de 4 dias, depois de 78 horas a massajá-lo, 23 horas a fazer rezas e 14 horas a pressionar as pernas contra a barriga, com sacos de sementes e danças da chuva.


via GIPHY

Quando dizes a alguém que a tua filha de dois anos vai mamar até querer, caso tu também queiras.


via GIPHY

Quando alguém descobre a caneta esferográfica que estava escondida na gaveta e decide fazer arte rupestre no sofá do tio. No dia da Natal. No sofá de pele. Do tio que melhor estima os seus pertences. True story.


via GIPHY

Quando ouves alguém dizer que o filho tem 67 meses.


via GIPHY

Quando dizes a alguém que usas babywearing, o teu filho faz BLW e praticas co-sleeping.


via GIPHY

Quando, nos grupos de Facebook, alguém pergunta o que acham do estado do rabo do filho, que já parece uma chanfana, e 293701 "mamas" (nunca se usa o til) recomendam cremes diferentes, uns com antibiótico.


via GIPHY

Eu. Hoje. No trabalho. E sem saltos. Tenho aqui o meu joelho para o comprovar.


via GIPHY

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

segunda-feira, 21 de maio de 2018

A minha filha quer dormir no chão (no chão mesmo!)

E por chão, entenda-se chão mesmo. Tapete no máximo. Se lhe ponho um edredão ou colchão fininho, na tentativa de lhe dar mais algum conforto, ela recusa.

Eles têm com cada mania, não têm? A Luísa tem sido uma caixinha de surpresas.

Já pensámos que pudesse ser calor, mas mesmo com pouca roupa, a meio da noite - e às vezes logo ao início - pede para ir para o chão. Às vezes nem pede e vai sozinha. Com ou sem almofada.


Será de ter começado a dormir no chão no colégio? Será que lhe dá mais segurança?


Não faço a mínima ideia, mas eu cá não gostaria de estar a dormir nem sobre o soalho, nem sobre um tapete. Não acho sequer muito higiénico, se me ponho a pensar nos ácaros e bichezas que por ali andam (não aspiro todos os dias...). Às vezes lá aceita que ponha o lençol sobre o tapete, mas é sempre um forrobodó durante a noite. Ainda por cima ela é bem espaçosa e já chegou a enfiar-se debaixo da minha cama! Ahah isto é de loucos.

Decidi escrever este post na esperança que me dissessem que conhecem o filho do primo do enteado do leiteiro que também tem a mesma mania e como a solucionaram. Mesmo não sendo um problema, não é nada de especial, não faço ideia do que faça: deixo que a panca lhe passe, ponho um colchão maior no chão...?

A Isabel dorme numa cama daquelas montessoriana no chão mas, já aconteceu, a Luísa ir lá ter a meio da noite, mas quando acordámos já estava no chão mesmo. Propositadamente (sim, não é por cair)...


Coisa mais fofinha de sua mãe

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

domingo, 20 de maio de 2018

A roupa que temos vestida é especial. Muito.

Conheci este projecto através da minha vizinha do rés-do-chão, quando éramos crianças. Ainda agora estávamos a brincar com as pollypocket dela (eu nunca tive, mas ela emprestava-me tudo, uma querida) e agora tenho eu duas filhas com a nossa idade, ou quase, e está ela a abraçar um projecto fantástico de voluntariado em Marraquexe. Impossível ficar indiferente a isto: Al Nour

Al Nour significa "a luz" em árabe. Patricia Kahane, austríaca, deparou-se com a necessidade de criar, em Marrocos, um projecto que envolvesse o público feminino com deficiência e o integrasse no mercado de trabalho, apostando na igualdade de género e na independência da mulher. É já por si difícil uma mulher conseguir emprego, por razões culturais, mas caso a mesma nasça ou se torne, por acidente, deficiente, as suas oportunidades diminuem consideravelmente. Deparada com esta realidade, Patricia investiu nesta empresa social, em Marraquexe, que proporciona a uma equipa de artesãs um emprego digno, salário mensal, segurança social, seguro de saúde, transporte privado, refeições diárias, serviço de creche, formação contínua em diversas temáticas, aulas de árabe, acompanhamento psicológico e um espaço de trabalho com uma infraestrutura devidamente adequada às suas necessidades. Isto bastava para uma pessoa se deliciar com o projecto, mas ainda não viram nada. O trabalho que sai das mãos destas mulheres é uma maravilha. Mãos que trabalham tecidos que vêm da Europa (os mais simples de linho, algodão ou lã) ou de Marrocos e Índia (as sedas e caxemiras, respeitando as leis do comércio justo) através de técnicas tradicionais, ancestrais da Berber. Há peças para criança, bebé, homem, mulher, de decoração e acessórios. Além de um vestido para mim e para as miúdas, encomendei um cestinho para o pão tão bonito! 














Luísa
 - 
vestido Loubna

Isabel - vestido Milli em branco

Joana - vestido Paola

Cesto de pão - Panini

Percam 8 minutos para ver este vídeo absolutamente inspirador, chamado Blessing, sobre algumas destas mulheres - disseram a uma delas que não era um ser humano... - sobre conquista, superação e sobre esperança.


Sigam este projecto em:

Partilhem. Contribuam. E, além de vocês, se souberem de alguém a precisar de comprar roupa de cama, de banho, para pousadas, hotéis, airbnb, o que seja, já sabem onde encomendar.
Escolhem através do site e depois encomendam através do email, é bem simples. É por uma causa muito especial ❤


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quinta-feira, 17 de maio de 2018

É um pouco isto.

Quando o teu filho adormece, fica na cama e consegues sair do quarto em pézinhos de lã sem que ele acorde.


via GIPHY

Quando finalmente vais ver a tua série (Safe, na Netflix), depois de lhes teres dado banho, brincado, dado jantar, adormecido e arrumado a cozinha.



via GIPHY

Quando a tua filha te pergunta o que estás a comer e são doritos, chocolates ou restos de gomas que vêm naqueles saquinhos do demo das festas de anos. São bróculos, filha, queres?


via GIPHY

Quando te dizem que o teu filho vai ficar muito mimado por lhe dares muito colo.


via GIPHY

Quando alguém se oferece para te ficar com as crianças para ires ao cinema ou jantar.


via GIPHY

Quando insinuam que não estás a educar bem o teu filho.


via GIPHY

Quando te esfregam na cara que o filho já dorme a noite toda, sabe contar até 467 mil e já sabe as cores em mandarim.


via GIPHY

Só porque sim. Não precisam de agradecer.


via GIPHY


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Estou K.O.!

Assumo, dei o berro. Nem mesmo depois de um fim-de-semana prolongado, a dormir bem durante quatro noites, recuperei. Quem não dorme convenientemente há quatro anos, como eu, sabe o que isto é. Há quem diga que se habitua, eu nunca me habituei. Não entro em delírio (mas já me passei e até gritei!), não vou para a rua de pijama (se bem que nem era uma má ideia, às vezes, ir dormir para o carro), não passo o dia inteiro a queixar-me e a carpir o quão difíceis são as nossas noites – ora porque a Isabel tem pesadelos, ou sede, ou chichi; ora porque a Luísa quer leite, colo, ou ir dormir para o chão, o que calhar, ora porque alguma tem tosse, ou as duas…- mas nunca me senti tão cansada. Nem mesmo depois de noitadas e noitadas a estudar para os exames da faculdade.

Não me sinto tão lerda como na gravidez (alguém sentiu o cérebro a carcomer-se todo e a ficarem sem memória?), mas também sei que não estou na minha melhor forma. Demoro mais um bocadinho, às vezes sinto que não estou criativa e tenho menos paciência, no geral. E eu que era uma pessoa muito positiva, divertida e de sorriso na cara para os colegas… às vezes tenho a sensação de que me devem achar mal-encarada.

Estou, pela primeira vez na vida, a tomar suplementos. Num mundo perfeito, alimentava-me sempre bem, fazia exercício diário e dormia bem (ahah que piada!), mas nem sempre consigo. Por isso, reforço o pequeno-almoço com um comprimido de Viterra Mulher (porque há vários: para bebés, crianças, adolescentes, homens, desportistas, mais de 55 anos, o clássico e agora um tal de Viterra Max Energy, novidade da marca, que se toma sem água, porque basta colocar o pó da saqueta na boca). O Viterra Mulher tem uma série de componentes que me ajudam a reduzir o cansaço, como a vitamina B12, o ferro e o ácido pantoténico que contribuem para um normal metabolismo produtor de energia, além de ter muitos outros minerais e vitaminas, com reguladores hormonais e antioxidantes da pele (ansiosamente à espera que estas unhas voltem a ser duras e fortes).

Sim, o sono e o cansaço mexem com tudo isto. E entra-se às vezes numa espiral que nos enrola e que é muito difícil de combater: pouca vontade de fazer comida, de comer bem e, já se sabe, a energia é cada vez menos se não a vamos buscar aos sítios certos e sentimo-nos incapazes e deprimidas.

Já estou a reverter a situação. Ainda acordo duas ou três vezes por noite mas já não sinto que me passam dois camiões por cima, já passa só um. A caminho da Joana esperta e divertida. Fresca e fofa.


Colegas do trabalho, eu sou fixe, a sério que sou.





Os produtos da gama Viterra são SUPLEMENTOS ALIMENTARES. Não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado e equilibrado e de um estilo de vida saudável. Não exceder a toma diária recomendada. Manter fora da vista e do alcance das crianças. O consumo dos produtos não é recomendado em caso de hipersensibilidade a qualquer um dos ingredientes. Para mais informações consultar a rotulagem.



*Post escrito em parceria com a agência de comunicação


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

segunda-feira, 14 de maio de 2018

A maternidade exige um copo de vinho

E quem diz um copo de vinho, diz uma massagem, diz uma noite de sono revigoradora, diz um jantar de amigas, diz uma escapadinha a dois, diz muita coisa que alivia e tira pressão de cima. 
E quem disser o contrário, ou está já um caco e não consegue reagir ou tem um poder de meditação e de controlo muito grande. 
A minha maternidade precisa de um copo de vinho. Nem sempre, que amamentei em exclusivo e não me podia dar a esses luxos, mas agora dou de vez em quando. Se fumasse, talvez fosse esse o momento de relaxar. Se corresse, talvez fosse a minha forma de reagir (e fugir). Se vivesse no campo, talvez me bastasse ir ao terreno ao lado mandar uns gritos. 
Nem sempre tenho o poder de lidar com as birras e as brigas delas com serenidade. Nem sempre tenho ferramentas para me acalmar e as acalmar. Nem sempre me consigo meter no lugar delas nem falar com elas como gostaria que falassem comigo. Não tenho paciência. Não tenho. Hoje não tive. E tive de as separar, de gritar, de as meter em divisões diferentes. 
Chegou a idade “difícil” para a Luísa, a idade desafiadora, das birras, da frustração (dela e minha). Talvez a memória me atraiçoe mas era mais fácil lidar com a Isabel. Acho eu. O tempo ameniza muito e ajuda-nos a relativizar, claro. Ralho. Ralho bastante. Faço muitas das coisas que me parecem fazer sentido, mas também me descontrolo e zango. Estou certa? Não. Mas também não tenho vergonha em assumir. Não sou perfeita, muito longe disso. 
E sim, hoje precisei de um copo de vinho. Vou precisar mais vezes.
A minha maternidade não é (só) cor-de-rosa. 


domingo, 13 de maio de 2018

Os segundos ficam traumatizados?

Estava aqui a decidir se fazemos festa de anos à Luisa, a segunda, como sabem. Faz, no final do mês, dois anos. 
Eu explico: talvez vamos viajar nessa altura e iria complicar muito encaixar uma festa antes de irmos ou depois de chegarmos. Pelo menos uma festa com tema, com cupcakes e tudo bonitinho como tenho feito. 
Mas depois pensei: quão triste ficaria ela quando soubesse, daqui a uns anos, que não teve festa de anos? Somos nós que valorizamos isto e que lhe damos mais importância do que realmente tem? Um bolo e um balão “faz a festa”? 
Para a Isabel, fiz um filme para os dois anos dela, com os melhores momentos desses 24 meses. Imprimi fotos e pus em molduras. Escrevi um diário da gravidez. Da Luísa, nada. 
Mas depois penso: será mesmo importante tudo isso? Não será mais importante estarmos juntos, termo-nos e aproveitar esses momentos?
E lá decidi. Se não formos viajar (ou se formos mais tarde), vamos fazer um piquenique no dia com bolo e algumas coisas básicas com avós e primos. Vou aproveitar decoração que sobrou de outras festas e dar-lhe esse miminho. 
Querem dar-me ideias de coisas fixes para ter num piquenique? Vou pedir à minha avó para fazer croquetes, rissóis, pastéis de bacalhau e um bolo de noz. Compro húmus, faço guacamole, cenouras aos palitos e espetadas de fruta e de tomate com queijo mozarella. E mais? 
Obrigada! :) 



E já agora respondam à pergunta que me levou a escrever este post: os segundos ficam traumatizados? [o meu irmão mais novo chegou a escrever uma composição uma vez chamada “pobre membro”, onde se queixava de ser o membro mais desprezado da família. Será?...]






sexta-feira, 11 de maio de 2018

Adormeço as minhas filhas. Até quando? Até deixarem de querer.

Já estive em todas as fases: a fase de desespero, quando ela demorava muito tempo a adormecer e eu tinha toda uma vida para acontecer; a fase de adorar, quando não tinha nada para fazer e adormecia com ela; a fase de ter duas para adormecer e de ficar um bocado ansiosa se a primeira (a Luisa) acordava a meio de adormecer a segunda; e agora a fase em que me sabe muito, mas mesmo muito bem os minutos que tenho só para a Isabel antes de a adormecer, as conversas tão divertidas que temos, as novidades que escolhe contar na cama, as coisas bonitas que me diz nesses momentos e quando me dá a mão e fico a ouvi-la respirar e adormecer, serena.

Claro que já desejei ter filhas que se despedem na sala e que vão sozinhas para a cama. Claro que já desejei despedir-me com um beijinho, aconchegá-las nos lençóis e dizer “dorme bem e até amanhã” e sair do quarto. Claro que já me passei da cabeça quando, ao fim de não sei quanto tempo, ela me pede água ou creme ou tem calor ou comichão ou... vocês sabem. Custa-me muito quando adormeço e tenho coisas para tratar. Mas passou a ser menos difícil a partir do momento em que assumi que as minhas filhas (ainda) precisam de se sentir acompanhadas para adormecer e, por vezes, até para readormecer. A Luísa ainda dorme no nosso quarto, por isso, diria mesmo, que ainda necessita de companhia para dormir. É o que é. Alguns diriam que as habituámos mal, eu prefiro acreditar que respeitámos as necessidades delas. Ter isso em mente facilita todo o processo.

Adorei adormecer a Isabel esta noite. Rimo-nos muito quando eu vesti as calças de pijama do David e ela me chamou papá. Disse-me coisas lindas antes de dormir e eu a ela e demos as mãos. Foi o momento cúmplice do dia. Gostei de adormecer a minha filha de quarto anos. Enquanto ela quiser, assim será. Eu sou das que gosta de dormir acompanhada, por isso percebo-as bem. Enquanto me quiserem, ter-me-ão.*


* o pai também as adormece, vamo-nos revezando
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: